Pelo menos 100 casas localizadas no distrito de Nossa Senhora do Amparo, em Barra Mansa, foram afetadas pelo transbordamento do Rio Turvo. As cheias, segundo informações da Defesa Civil do município, foram provocadas pelo excesso de chuvas que caíram na região de Conservatória, na cidade de Valença, na tarde desta terça-feira, dia 4.

Moradores da Rua Otto Christian Koening relataram que o nível da água chegou a 1,5 m de altura durante a noite. Por volta das 10 horas, desta quarta-feira (5), o nível era de 1.10 metros de altura.

O coordenador da Defesa Civil, Sérgio Mendes, o Serginho Bombeiro, acompanhado de sua equipe, esteve no local. Na oportunidade, ressaltou que no distrito não há pluviômetro, o que inviabiliza a medição do volume de chuvas e o sistema de alerta a população. “A falta do equipamento impossibilita que a Defesa Civil faça o alerta para que os moradores deixem suas residências ou coloquem móveis, objetos pessoais e documentos em local seguro”, disse.

Funcionários da Secretaria de Assistência Social e Direitos Humanos estiveram na região alagada a fim de verificar necessidades como colchões e alimentos. Eles também checaram o cadastramento dos afetados em programas sociais do governo. O Saae-BM (Serviço Autônomo de Água e Esgoto) realizou a distribuição de cloro para a realização da limpeza das casas tão logo o nível do Rio Turvo se normalize. A vereadora Maria Lucia, moradora da localidade, acompanhou os serviços.

As fortes chuvas em Bananal (SP) e na região do Sertão dos Hortelãs (RJ), elevaram o nível do Rio Barra Mansa, porém não provocaram transtornos na Rua Florianópolis, no Nova Esperança. Na região da Colônia o volume de água do Rio Bananal subiu bastante também em função das chuvas, porém o rio se manteve na calha.

RIO PARAÍBA DO SUL – O coordenador da Defesa Civil informou que o volume do Rio Paraíba do Sul está 1.10 metros acima do normal. Pela manhã, a medição apontava para 3.2 metros de profundidade. “Quando o Paraíba chega a 3.5 metros de profundidade atinge a sua cota de alerta e já provoca alagamento em locais como a Vista Alegre, Vila Maria e Eduardo Junqueira”, detalhou.

Dados do aplicativo da Defesa Civil que permitem monitorar o Rio Paraíba do Sul apontavam uma vazão de 532 metros cúbicos por segundo na manhã desta quarta-feira. A vazão considerada dentro dos parâmetros de operação de normalidade é de 290 metros cúbicos por segundo.

A Defesa Civil alerta para as possibilidades de pancadas de chuvas nas próximas horas. Segundo o INMET (Instituto Nacional de Meteorologia) a previsão é de chuvas para os próximos 15 dias em várias partes do Brasil. Existe acumulados de chuva significativos concentrados entre os estados de São Paulo, Minas Gerais e Rio de Janeiro e podem variar entre 80 e 200 mm.

 

Fotos: Jane Portella