O Museu de Arte Moderna completa 70 anos em 2020 e, apesar das limitações impostas diante da pandemia do coronavírus, as celebrações estão acontecendo para que a data não passe despercebida pela população. Desde o dia 21 de maio, por exemplo, está em cartaz de maneira virtual a exposição “Crepúsculo”, do fotógrafo Pedro Luz.  A exposição pode ser vista através das páginas e perfis da Fundação casa de Cultura Macedo Miranda nas redes sociais.

De acordo com a direção do MAM, o fotógrafo encara o desafio de apresentar a sua primeira exposição virtual. Para isso, ele organizou seu acervo em um tema nunca antes apresentado ao público, que valoriza as cores e luzes do crepúsculo na região. Para a diretora do museu, Carmem Aguiar, a primeira exposição virtual realizada pela instituição comemora o Dia dos Museus, celebrado em maio, e o dia do artista plástico.  

- A exposição do Pedro Luz se encaixa na data que homenageia os museus, mas vai além disso. Seu trabalho é inquieto e provocativo, convidando o público para uma experiência diferenciada - acredita a diretora. 

A produção da exposição ‘Crepúsculo’ tem curadoria de Melissa Barretti, que junto ao artista plástico e arquiteto André Aaltonen, assina o conceito de desenvolvimento e harmonização das fotografias. A identidade visual da exposição é assinada pelo designer Luca Luz. 

 

Sobre o artista 

Pedro Luz é carioca de nascimento e é da região das Agulhas Negras de coração. Fotógrafo desde 2003, nos últimos três anos organizou mais de 20 exposições e ministrou oficinas de fotografia criativa para as escolas públicas da região. A parceria com Melissa Barretti e André Aaltonen é frequente nestes trabalhos. 

O fotógrafo se especializou em captar registros das matas, rios, montanhas e cachoeiras da Região das Agulhas Negras. Inclusive já foi convidado para inúmeras exposições na região, seu trabalho é reconhecido no Brasil e no mundo. No último mês de novembro, recebeu o Troféu Macedo Miranda na categoria de fotografia.