Por descumprimento aos decretos de horário de funcionamento e de aglomeração, a força-tarefa de fiscalização em Volta Redonda interditou três estabelecimentos localizados nos bairros Aterrado, Caieiras e Santa Cruz. A interdição aconteceu no domingo, dia 31.

As equipes também garantiram o encerramento de um churrasco que acontecia em via pública, também no domingo, na Rua General Sampaio, no bairro Colina. Cadeiras e mesas foram apreendidas, já que nenhum participante se apresentou como dono dos móveis.

A ação, organizada pela Fiscalização de Atividades Econômicas e Sociais da Secretaria Municipal de Fazenda (SMF), com o apoio da Secretaria Especial de Segurança Publica (SESP) e do 28º Batalhão realizou ronda em pelo menos dez bairros.

O objetivo é verificar se as regras para evitar o contágio pelo novo coronavírus, como o cumprimento dos horários estipulados de abertura e fechamento e as medidas de segurança dentro dos estabelecimentos comerciais, estão sendo cumpridas.

O prefeito Samuca Silva destacou que todos são responsáveis pelo combate ao coronavírus. “A população tem nos ajudado muito, realizando denúncias e apontando locais de aglomerações. Precisamos da ajuda de todos. Vamos usar máscaras, álcool em gel e, principalmente, só ir às ruas em caso de necessidade. Junto vamos vencer a covid-19”, disse o prefeito.

Durante o domingo, a força-tarefa passou pelos bairros Jardim Amália, São Geraldo, Colina, Vila Santa Cecília, Santa Cruz, Caieiras, Vila Americana e Aterrado.

Entre as regras que devem ser cumpridas estão a entrada permitida nos estabelecimentos de apenas uma pessoa a cada 10m2; o uso obrigatório de máscaras; e a disponibilização de álcool em gel para clientes. Além disso, bares e restaurantes só podem funcionar até às 19 horas.

O objetivo das medidas é manter os seis eixos de monitoramento condicionantes para a flexibilização, como o número de casos suspeitos não aumentar em 5% por dois dias seguidos; a ocupação de leitos no CTI não ultrapassar 50%; a ocupação de leitos no Hospital de Campanha não ultrapassar 60%; além de manter o grupo de risco em isolamento social; uso de máscara obrigatório nas ruas; e a proibição de qualquer tipo de aglomeração.