A Agência Reguladora de Energia e Saneamento Básico do Estado do Rio, a Agenersa, multou a Companhia Estadual de Águas e Esgotos, a Cedae,  em R$ 100 mil por não ter divulgado os relatórios contendo dados sobre a concentração de geosmina em amostras coletadas da Estação de Tratamento de Água Guandu (ETA Guandu), desde o dia 27 de janeiro.

A Companhia tem até o próximo dia 07 de fevereiro para publicar os relatórios em seu site, com envio de cópias para a Agenersa, sob pena de multa em dobro se houver novo descumprimento.

Também nesta terça-feira, a agência reguladora determinou que a Cedae fique atenta a prioridades de abastecimento depois que houve a paralisação dos trabalhos na ETA Guandu por conta da detecção de presença anormal de detergente na água captada, na tarde de segunda-feira (4).

Segundo o comunicado, a Cedae precisa atender de imediato, e prioritariamente, hospitais, unidades de saúde, escolas, creches, unidades de tratamento de idosos, presídios e demais áreas sensíveis afetadas pelo desabastecimento de água, contratando, se necessário, carros-pipas.

A agência reguladora determinou também que a Cedae remeta relatórios diários, até as 15h, sobre o abastecimento de água nas regiões atingidas, detalhando procedimentos adotados e os atendimentos realizados nos respectivos bairros e municípios.

A Cedae deve ainda disponibilizar as informações sobre abastecimento de forma clara, por meio de mídias de fácil acesso à população do Rio de Janeiro.

A Agência reguladora esclareceu que, por se tratar de detecção da presença de detergente na água, cabe ao Instituto Estadual do Ambiente (Inea) a investigação sobre origem da alta concentração do produto na captação da ETA Guandu.

O problema do detergente se soma ao da presença também da geosmina na água do Guandu, que desde o início do ano tem causado alterações na água e feito com que a população tenha que consumir água mineral.

Nesta terça-feira (4), algumas regiões da cidade já sofreram falhas no abastecimento devido ao fechamento das comportas de captação.

 

 

Com informações de Douglas Correa, da Agência Brasil